domingo, 14 de diciembre de 2014

Publicaciones sobre murciélagos de Portugal continental

Las V Jornadas SECEMU han acogido la conferencia invitada "Historia de de la Conservación de los murciélagos en Portugal continental" a cargo de Luisa Rodrigues, del ICNF Portugal.


Ha tenido la buena idea de facilitarnos esta lista de publicaciones sobre murciélagos, muchas de ellas con un enlace directo para su descarga:

Publicações sobre morcegos de

Portugal continental

(Novembro 2014) 


1.    Artigos / Livros


Amorim F., H. Rebelo & L. Rodrigues. 2012. Bats and Wind Farms: Factors Influencing Bat Activity and Mortality. Acta Chiropterologica, 14(2):439–457.

Amorim F., P. Alves & H. Rebelo. 2013. Bridges over the troubled Conservation of Iberian Bats. Barbastella, 6(1):3-12.

Amorim, F., Carvalho, S.B., Honrado, J. & H. Rebelo (2014) Designing optimized multi-species monitoring networks to detect range shifts driven by climate change: a case study with bats in the North of Portugal. PLoS ONE, 9, e87291. doi:10.1371/journal.pone.0087291

Barros P. 2012. Contribution to the knowledge of bat distribution in northern and central Portugal. Barbastella, 5:19-31.

Barros P. & L. Braz. 2013. Barbastella barbastellus (Schreber, 1774) in mines from North Portugal: ¿a case of “swarming”? Barbastella, 6(1):13-22.

Barros P. 2014. Pasos agrícolas inferiores de carreteras: su importancia para los murciélagos como refugio y lugar para cruzar la vía. Barbastella 7(1). (http://www.researchgate.net/publication/260511584_Agricultural_underpasses_their_importance_for_bats_as_roosts_and_role_in_facilitating_movement_across_roads)

Bastos R., M. Santos & J.A. Cabral. 2013. A new stochastic dynamic tool to improve the accuracy of mortality estimates for bats killed at wind farms. Ecological Indicators, 34:428–440. (http://www.researchgate.net/publication/249999127_A_new_stochastic_dynamic_tool_to_improve_the_accuracy_of_mortality_estimates_for_bats_killed_at_wind_farms)

Bernardino J., R. Bispo, P. Torres, M. Mascarenhas, H. Costa & R. Rebelo. 2011. Enhancing of carcass removal trials at three wind energy facilities in Portugal. Wildlife Biology in Practice, 7(2):1-14.

Braz L., H. Gonçalves, P. Barros & P. Travassos. 2009. First record of Bechstein´s bat (Myotis bechsteinii Kuhl, 1817) at North of Portugal and new specie for the site of comunitary importance Alvão-Marão. Galemys, 21(1):71-75.

Jones, G. & Rebelo, H. (2013). Responses of bats to climate change: learning from the past and predicting the future. In: Adams, R. & Pedersen, S. (Eds.) Bat Evolution, Ecology and Conservation. Pp 457-478, Springer Verlaag.

Lino A., Fonseca C., Goiti U., Ramos Pereira M.J. (2014). Prey selection by Rhinolophus hipposideros (Chiroptera, Rhinolophidae) in a modified forest in Southwest Europe. Acta Chiropterologica,16(1):75-83.

Lourenço S.I. & J.M. Palmeirim. 2004. Infuence of temperature in roost selection by Pipistrellus pygmaeus (Chiroptera): relevance for the design of bat boxes. Biological Conservation, 119:237–243.

Lourenço S. & J.M. Palmeirim. 2007. Can mite parasitism affect the condition of bat hosts? Implications for the social structure of colonial bats. J. Zool. (Lond.), 273:161-168.

Lourenço S. & J.M. Palmeirim. 2008. How do ectoparasitic nycteriibids locate their bat hosts? Parasitology, 135:1205-1213.

Lourenço S. & J.M. Palmeirim. 2008. Which factors regulate the reproduction of ectoparasites of temperate-zone cave-dwelling bats? Parasitology Research, 104:127-134.

Marques J.T., A. Rainho, M. Carapuço, P. Oliveira & J.M. Palmeirim. 2004. Foraging behaviour and habitat use by the European free-tailed bat Tadarida teniotis. Acta Chiropterologica, 6(1):99–110.

Matos M., N. Lopes-Pinto & C. Fonseca. 2011. Os morcegos da Mata Nacional do Bussaco, centro de Portugal. Galemys, 23:55-60.

Mathias M.L., M. Santos-Reis, J.M. Palmeirim & M.G. Ramalhinho. 1998. Mamíferos de Portugal. Edições Inapa, 145 pp.

Matos M., N. Lopes-Pinto, M. J. Ramos Pereira & C. Fonseca. 2013. Triggering bat detectors: automatic vs. manual mode. Mammalia, 77 (4): 461-466.

Medinas D., J.T. Marques & A. Mira. 2013. Assessing road effects on bats: the role of landscape, road features, and bat activity on road-kills. Ecol Res, 28: 227–237 DOI 10.1007/s11284-012-1009-6. 

Mendes E.S., M.J. Ramos-Pereira, S.F. Marques & C. Fonseca. 2014. A mosaic of opportunities? Spatio-temporal patterns of bat diversity and activity in a strongly humanized Mediterranean wetland. Eur J Wildl Res, 60(4): 651-664. DOI 10.1007/s10344-014-0832-1.

Paiva-Cardoso M.N., F. Morinha, P. Barros, H. Vale-Gonçalves, A.C. Coelho, L. Fernandes, P. Travassos, A.S. Faria, E. Bastos, M. Santos & J.A. Cabral. 2014. First isolation of Pseudogymnoascus destructans in bats from Portugal. Eur J Wildl Res, 60:645-649. DOI 10.1007/s10344-014-0831-2.

Palmeirim J.M. 1978. First record of Myotis blythii (Tomes, 1857) from Portugal. Its systematics and distribution in the Iberian Península (Chiroptera). Arq. Museu Bocage, (série 2) 6(18):311-318.

Palmeirim J.M., M.J. Ramos & D. Dias. 1979. Bats from Portugal in the collection of Museu Bocage. Arq. Museu Bocage, (série 2) 7(4):53-66.

Palmeirim J.M. 1982. Bat conservation and management. Boletim da Liga para a Protecção da Natureza, 16:24-28.

Palmeirim J.M. & L. Rodrigues. 1987. A espeleologia e os morcegos cavernícolas. Actas I Congresso Nacional de Espeleologia (Porto de Mós, Portugal).

Palmeirim J.M. 1989. Status of bats in Portugal. Pp. 373-379 in European Bat Research 1987 (V. Hanák, I. Horácek, e J. Gaisler, eds.). Charles University Press, Praha, 718pp.

Palmeirim J.M. 1990. Bats from Portugal: zoogeography and systematics. Miscellaneous Publications of the Kansas University Museum of Natural History 82, 53pp.

Palmeirim J.M. & L. Rodrigues. 1991. Estatus y conservacion de los murcielagos en Portugal. Pp. 163-179 in Los murciélagos de Espana y Portugal. (J. Benzal e O. de Paz, eds.). ICONA, Madrid, 330 pp.

Palmeirim J.M. & L. Rodrigues. 1992. Plano de Conservação dos Morcegos Cavernícolas. Estudos de Biologia e Conservação da Natureza, 8. 165 pp.

Palmeirim J.M. & L. Rodrigues. 1992. Estatuto e planos de conservação dos morcegos em Portugal. Actas I Jornadas Quiropterológicas sobre Corologia y Conservación de los Murciélagos Ibérico-Macaronésicos (Grazalema, Espanha).

Palmeirim J.M. & L. Rodrigues. 1993. Os morcegos cavernícolas em extinção. Actas 3º Encontro Nacional de Espeleologia (Sintra, Portugal).

Palmeirim J.M. & L. Rodrigues. 1993. Critérios para a identificação de áreas naturais importantes (ANI´s) em Portugal Continental - Morcegos. Pp.52-57. in (LPN, ed.) Critérios para a identificação de áreas naturais importantes (ANI´s) em Portugal Continental. 61 pp.

Palmeirim J.M. & L. Rodrigues. 1993. The 2-minute harp trap for bats. Bat Research News, 34(2-3):60-64.

Palmeirim J.M. & L. Rodrigues. 1995. Dispersal and philopatry in colonial animals: the case of Miniopterus schreibersii. Pp. 219-231 in Ecology, Evolution and Behaviour of Bats (P.A. Racey e S.M. Swift, eds). Oxford University Press. 421 + xxi pp.

Palmeirim J.M., L. Rodrigues, A. Rainho & M.J. Ramos. 1999. Quirópteros. P. 42-95 in Guia dos Mamíferos terrestres de Portugal continental, Açores e Madeira. Instituto da Conservação da Natureza e Centro de Biologia Ambiental da Universidade de Lisboa. 199 pp.

Paula J., M.C. Leal, M.J. Silva, R. Mascarenhas, H. Costa & M. Mascarenhas. 2011. Dogs as a tool to improve bird-strike mortality estimates at wind farms. Journal for Nature Conservation, 19(4):202-208.

Rainho A., L. Rodrigues, S. Bicho, C. Franco & J.M. Palmeirim. 1998. Morcegos das Áreas Protegidas Portuguesas (I). Estudos de Biologia e Conservação da Natureza, 26. 118 pp.

Rainho A., S. Lourenço, H. Rebelo & A. Freitas. 2006. Bats and dams. Conservation actions in the region of the reservoir of Alqueva and Pedrógão. ICN / EDIA. 40pp.

Rainho A. 2007. Summer foraging habitats of bats in a Mediterranean region of the Iberian Peninsula. Acta Chiropterologica, 9(1):171-181.

Rainho A., A.M. Augusto & J.M. Palmeirim. 2010. Influence of vegetation clutter on the capacity of ground foraging bats to capture prey. Journal of Applied Ecology, 47:850–858.

Rainho A. & J.M. Palmeirim. 2011. The importance of distance to resources in the spatial modelling of bat foraging habitat. PLoS ONE, 6(4):e19227. doi:10.1371/journal.pone.0019227

Rainho A., F. Amorim, J.T. Marques, P. Alves & H. Rebelo. 2011. Chave de identificação de vocalizações de morcegos de Portugal continental. Versão electrónica (beta) de 26 de Abril de 2011.  (http://media.wix.com/ugd/579fed_30cec08b705ad6938e2c3f49dac83492.pdf?dn=Chave+identificacao+acustica+v2.pdf)

Rainho A. & J.M. Palmeirim. 2013. Prioritizing conservation areas around multispecies bat colonies using spatial modeling. Animal Conservation, 16(4): 438–448. DOI: 10.1111/acv.12013

Rainho A., Alves P., Amorim F. & Marques J.T. (Coord.) (2013). Atlas dos morcegos de Portugal Continental. Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. Lisboa. 76 pp + Anexos.

Ramos Pereira M.J., H. Rebelo, A. Rainho & J.M. Palmeirim. 2002. Prey selection by Myotis myotis (Vespertilionidae) in a Mediterranean region. Acta Chiropterologica, 4(2):183–193.

Ramos Pereira M.J., P. Salgueiro, L. Rodrigues, M.M. Coelho & J.M. Palmeirim. 2009. Population structure of a cave-dwelling bat, Miniopterus schreibersii: Does it reflect history and social organization? Journal of Heredity, 100(5):533-544.

Razgour O. , J. Juste, C. Ibanez, A. Kiefer, H. Rebelo, S.J. Puechmaille, R. Arlettaz, T. Burke, D.A. Dawson, M. Beaumont & G. Jones. 2013. The shaping of genetic variation in edge-of-range populations under past and future climate change. Ecology Letters, 16:1258-1266. doi: 10.1111/ele.12158

Razgour, O., Rebelo, H., Puechmaille, S.J., Juste, J., Ibáñez, C., Kiefer, A., Burke, T., Dawson, D.A. & G. Jones (2014) Scale-dependent effects of landscape variables on gene flow and population structure in bats. Diversity and Distributions, 1–13. DOI: 10.1111/ddi.12200.

Rebelo H. & A. Rainho. 2009. Bat conservation and large dams: spatial changes in habitat use caused by Europe’s largest reservoir. Endangered Species Research, 8:61-68.

Rebelo H., P. Tarroso & G. Jones. 2010. Predicted impact of climate change on European bats in relation to their biogeographic patterns. Global Change Biology, 16:561-576.

Rebelo H. & G. Jones. 2010. Ground validation of presence-only modelling on rare species:  a case study on barbastelles Barbastella barbastellus (Chiroptera: Vespertilionidae). Journal of Applied Ecology, 47:410-420.

Rebelo H., E. Froufe,  J.C. Brito, D. Russo, L. Cistrone, N. Ferrand & G. Jones. 2012. Postglacial colonization of Europe by the barbastelle bat: agreement between molecular data and past predictive modelling. Molecular Ecology, 21:2761-2774.

Rebelo H., E. Froufe, N. Ferrand & G. Jones 2012. Integrating molecular ecology and predictive modelling: implications for the conservation of the barbastelle bat (Barbastella barbastellus) in Portugal. Eur J Wildl Res, 58:721-732.

Rodrigues L. & J.M. Palmeirim. 1991. Morcegos no Ambiente Cársico. Actas I Jornadas "Ambiente Cársico e Educação Ambiental" (Porto de Mós, Portugal).

Rodrigues L. & J.M. Palmeirim. 1993. Os morcegos cavernícolas do PNSAC. Actas III Jornadas "Ambiente Cársico e Fauna do PNSAC" (Porto de Mós, Portugal).

Rodrigues L. & J.M. Palmeirim. 1994. Programa de monitorização de morcegos cavernícolas. Actas III Congresso Nacional de Áreas Protegidas (Lisboa, Portugal).

Rodrigues L. & J.M. Palmeirim. 1994. An infrared video system to count and identify emerging bats. Bat Research News, 35(4):77-79.

Rodrigues L. 1999. Miniopterus schreibersii P. 154-155 in The Atlas of European Mammals (Mitchell-Jones, A.J., G. Amori, W. Bogdanowicz, B. Krystufek, P.J.H. Reijnders, F. Spintzenberger, M. Stubbe, J.B.M. Thissen, V. Vohralik e J. Zima, eds). Academic Press. 484 pp.

Rodrigues L. & J.M. Palmeirim. 1999. Rhinolophus mehelyi P. 98-99 in The Atlas of European Mammals (Mitchell-Jones, A.J., G. Amori, W. Bogdanowicz, B. Krystufek, P.J.H. Reijnders, F. Spintzenberger, M. Stubbe, J.B.M. Thissen, V. Vohralik e J. Zima, eds). Academic Press. 484 pp.

Rodrigues L., A. Rainho & J.M. Palmeirim. 2001. Os morcegos cavernícolas portugueses. Trogle, 3:22-27.

Rodrigues L., A. Zahn, A. Rainho & J.M. Palmeirim. 2003. Contrasting the roosting behaviour and phenology of an insectivorous bat (Myotis myotis) in its southern and northern distribution ranges. Mammalia, 67(3):321-335.

Rodrigues L. & J.M. Palmeirim. 2008. Migratory behaviour of the Schreiber’s bat: when, where, and why do cave bats migrate in a Mediterranean region? Journal of Zoology, 274:116-125.

Rodrigues L., M.J. Ramos Pereira, A. Rainho & J.M. Palmeirim. 2010. Behavioural determinants of gene flow in the bat Miniopterus schreibersii. Behavioral Ecology and Sociobiology, 64:835–843.

Rodrigues L., P. Alves, B. Silva & M.J. Pereira. 2011. Chave ilustrada simplificada de identificação das espécies de morcegos presentes em Portugal Continental – Versão 1.1. Publicação Electrónica, Versão 1.1. publicada em 1 de Setembro de 2011.

Rydell J., L. Bach, M-J Dubourg-Savage, M. Green L. Rodrigues & A. Hedenström. 2010. Mortality of bats at wind turbines links to nocturnal insect migration? European Journal of Wildlife Research. 56(6): 823-827. DOI 10.1007/s10344-010-0444-3.

Santos H., L. Rodrigues, G. Jones & H. Rebelo. 2013. Using species distribution modelling to predict bat fatality risk at wind farms. Biological Conservation, 157:178-186.

Santos, H., Juste, J., Ibáñez, C., Palmeirim, J.M., Godinho, R., Amorim, F., Alves, P., Costa, H., de Paz, O., Pérez-Suárez, G., Martínez-Alos, Jones, G. & H. Rebelo (2014) Influences of ecology and biogeography on shaping the distributions of cryptic species: three bat tales in Ibéria. Biological Journal of the Linnean Society, 112, 150-162.

Simões B.F., H. Rebelo, P.C. Alves & D.J. Harris. 2007. Patterns of genetic diversity within and between Myotis d. daubentonii and Myotis d. nathalinae derived from cytochrome b mtDNA sequence data. Acta Chiropterologica, 9(2):379–389.

Silva B., G Jacinto, P Infante, S Barreiro & P Alves. 2013. Identificação estatística de morcegos em Portugal através da análise de ultra-sons: género Pipistrellus e género Miniopterus. Actas do XX Congresso da Sociedade Portuguesa de Estatística, 1: 257–270.

Silva B. 2014. Automated Acoustic Identification: Pushing Technology to Identify Bat Calls. Bats Magazine, 32:13-15.

Silva-Santos P., H. Raposeira & P. Horta. 2012. Finding a new world – endoscopy of cryptic habitats. IAIA12 Conference Proceedings. Energy Future The Role of Impact Assessment. 32nd Annual Meeting of the International Association for Impact Assessment. 27 May-1 June 2012, Centro de Congresso da Alfândega, Porto – Portugal.

Tarroso P. & H Rebelo. 2010. E-Clic easy climate data converter. Ecography, 33:617-620.

Zahn A., L. Rodrigues, A. Rainho & J.M. Palmeirim. 2007. Critical times of the year for Myotis myotis, a temperate zone bat: roles of climate and food resources. Acta Chiropterologica, 9(1):115-125.

Zahn A., A. Rainho, L. Rodrigues & J.M. Palmeirim. 2009. Low macro-arthropod abundance in exotic Eucalyptus plantations in the Mediterranean. Applied Ecology and Environmental Research, 7(4):297-301.




  1. Relatórios / Trabalhos universitários

Antunes L.C.O. 2013. Guia dos morcegos de Portugal (continental e insular); morfologia e etologia dos quirópteros em território nacional. Tese de Mestrado, Instituto Superior de Educação e Ciências e Universidade de Évora

Amorim F. 2009. Morcegos e Parques Eólicos - Relação entre o uso do espaço e a mortalidade, avaliacão de metodologias, e influência de factores ambientais e ecológicos sobre a mortalidade. Tese de Mestrado, Universidade de Évora


Augusto A.M. 2008. Actividade de Myotis myotis (Chiroptera) durante o Inverno: influência da abundância alimentar. Tese de Mestrado, FCUL.

Barros P., J. Gaiola, H. Gonçalves, C. Lopez, A. Luís, I. Passos, A. Paula, J. Paula, F. Pereira, E. Ribeiro & A. Santos. 2011. Relatório do Campo de Trabalho Científico da Reserva Natural da Serra da Malcata 2010. Reserva Natural da Serra da Malcata (ICNB). 91 pp.

Bernardino J. 2008. Estimativas da mortalidade de aves e quirópteros em parques eólicos: avaliação das metodologias em uso e propostas para o seu aperfeiçoamento. Tese de Mestrado, FCUL.

Bicho S. 1994. Inventariação de morcegos em Áreas Protegidas: Parque Natural do Alvão e Parque Natural de Montesinho. Relatório interno. ICN.

Bicho S. 1995. Inventariação dos morcegos presentes no Parque Nacional da Peneda-Gerês e nos Parques Naturais da Serra da Estrela e Serras de Aire e Candeeiros. Estudo dos biótopos de alimentação. Relatório interno. ICN.

Bicho S. 1996. Morcegos em Áreas Protegidas: inventariação e biótopos de alimentação. Relatório de estágio realizado para a obtenção da licenciatura em Biologia - Recursos Faunísticos e Ambiente. F.C.U.L. Lisboa.

CAP, DGADR, LPN e SPEA. 2011. Relatório global- Biodiversidade na agricultura - Projecto-piloto para avaliação da adequabilidade e impacto da implementação de medidas de incremento da biodiversidade em explorações agrícolas do continente”. Relatório de progresso.

CAP, DGADR, LPN e SPEA. 2013. Relatório global- Biodiversidade na agricultura - Fase de execução do projeto-piloto para avaliação da adequabilidade e impacto da implementação de medidas de incremento da biodiversidade em explorações agrícolas do continente. Relatório de progresso.

Carmo M. 2008. A importância da vegetação ripícola para morcegos nas áreas mediterrânicas: actividade e riqueza específica em cursos de água de cabeceira. Relatório Final de Estágio da Licenciatura em Biologia. Universidade de Évora

Carvalho H. & J. Diamantino. 1996. Estudo do impacto dos canais de adução dos empreendimentos hidroeléctricos sobre a fauna de vertebrados terrestres na área do Parque Natural da Serra da Estrela. Relatório Técnico. PNSE.

Cruz J. 2014. Assessing the impacts of intensive forest practices on biodiversity in fragmented landscapes in Portugal. PhD at the University of York.

Domingos C.M. 2013. A influência da estrutura do habitat na actividade de morcegos em montado. Tese de Mestrado, FCUL.

Duarte G.F.F. 2013. Factors Shaping Bat Occurrence in Urban Green Areas. Tese de Mestrado, FCUL. 

Faria S.S.A. 2014. Caraterização da riqueza específica da comunidade de quirópteros no Campus da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Relatório Final de Estágio da Licenciatura em Biologia. UTAD

Fernandes I. 2013. Influência de albufeiras e charcos na actividade e diversidade de morcegos em paisagens mediterrânicas. Tese de Mestrado, Universidade de Évora

Ferreira D.M. 2012. Modelação baseada em agentes para a simulação do uso do espaço e efeitos causados pela instalação de um parque eólico sobre Nyctalus leisleri. Tese de Mestrado, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Franco C.M. 1996. Inventariação dos morcegos e determinação dos seus biótopos de alimentação na Reserva Natural do Estuário do Sado e no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina. Relatório interno. ICN.

Gonçalves R.R. 2008. Construção de um Modelo Discriminante para Identificação de 3 espécies de morcegos: Pipistrellus pipistrellus, Pipistrellus pygmaeus e Miniopterus schreibersii. Relatório Final de Estágio da Licenciatura em Ecologia Aplicada. UTAD

Guerra I.V. 2013. Influência de factores meteorológicos na utilização de um abrigo artificial de Rhinolophus hipposideros (morcego-de-ferradura-pequeno). Trabalho de cadeira - Licenciatura em Biologia, ISA.

ICN. 1998. Relatório final do projecto “LIFE - Conhecimento e Gestão do Património Natural”.

ICNB. (2008. Tenho morcegos em casa, o que devo fazer? (Guia de apoio a situações de coabitação e exclusão de morcegos em edifícios). Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade. Relatório não publicado.

ICNB. 2008. Manual de apoio à análise de projectos relativos à implementação de infra-estruturas lineares. Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade. Relatório não publicado.

ICNB. 2009. Recomendações para Planos de Monitorização de Parques Eólicos. Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade, Lisboa. 10 pp.

ICNB. 2010. Avaliação do efeito dos parques eólicos sobre os morcegos em Portugal continental (análise dos dados disponíveis em Outubro de 2009). Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade. Relatório não publicado.

ICNB 2010. Barragens. Linhas Orientadoras para a Elaboração de Estudos de Impacte Ambiental e Planos de Monitorização: Quirópteros. Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade, Lisboa. iii +17 pp.

ICNF. 2013. Critérios de avaliação de abrigos de morcegos de importância nacional. Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, Lisboa. 2 pp.

ICNF. 2014. Análise dos dados do Programa de Monitorização de Abrigos Subterrâneos de Importância Nacional de Morcegos (1988-2012). Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.

Lino A.C.N.F. 2013. Dieta e ocupação de um abrigo de criação de Rhinolophus hipposideros. Tese de Mestrado, Universidade de Aveiro.

Lourenço S.I.C.G. 2000. Inventariação de morcegos e determinação dos seus biótopos de alimentação em Áreas Protegidas. Relatório interno. ICN.

Lourenço S.I. 2002. Acção de sensibilização sobre morcegos nos concelhos abrangidos pela futura barragem do Alqueva. Relatório interno. ICN.

Lourenço S. 2008. Ecology of a host-parasite system. A study in temperate cave-dwelling bat. PhD Thesis. University of Lisboa, Portugal.

Marques J.T. & A. Rainho. 2006. Monitorização de impactos das actividades agro-silvo-pastoris sobre as populações de quirópteros do sítio Monfurado com vista à elaboração de planos de gestão. Relatório Técnico e Financeiro Final Acção A5 GAPS – Gestão Activa e Participada do Sítio de Monfurado (LIFE03/NAT/P/000008) 30 p + Anexos.

Matos M.M.A.S. 2011. Vertebrate diversity in the Bussaco Mountain and surrounding areas. PhD Thesis. University of Aveiro, Portugal.

Medeiros JA. 2008. Desenvolvimento de um modelo estocástico-dinâmico (StDM) para a previsão de impactes decorrentes da instalação de parques eólicos na actividade de quirópteros. Relatório Final de Estágio. Licenciatura em Ecologia Aplicada. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Medinas D.R.I. 2010. Avaliação dos efeitos das estradas nos morcegos: a importância da paisagem, das características das estradas e da actividade nos atropelamentos. Tese de Mestrado, Universidade de Évora.

Mendes E. 2013. Diversidade e actividade de morcegos no mosaico do Baixo Vouga lagunar. Tese de Mestrado, Universidade de Aveiro.

Oliveira, F.S.H. 2014. Influência das albufeiras de pequenas barragens na actividade de quirópteros no Nordeste de Portugal. Tese de Mestrado, Universidade do Minho.

Paiva V.M.F. 2010. Educação Ambiental: impacto na percepção e mudança de atitudes em relação aos morcegos. Tese de Mestrado, FCUL.

Palmeirim J.M. 1979. Sistemática, biologia e distribuição de quirópteros em Portugal (Fam. Vespertilionidae e Molossidae). Relatório de estágio realizado para a obtenção da licenciatura em Biologia. F.C.U.L. Lisboa.

Palmeirim J.M. 1985. Bats from Portugal: Zoogeography and systematics. Tese de Mestrado, University of Kansas. EUA.

Pereira S. 2012. Os morcegos numa agricultura biológica de gestão sustentável. Trabalho de cadeira - Licenciatura em Biologia, ISA.

Rainho A. 1994. Estudo dos biótopos de alimentação utilizados pelos morcegos presentes nos abrigos de Moura e Montemor-o-Novo. Relatório interno. ICN.

Rainho A. 1995. Biótopos de alimentação de algumas espécies de morcegos presentes em quatro regiões a Sul do Tejo. Relatório de estágio realizado para a obtenção da licenciatura em Biologia - Recursos Faunísticos e Ambiente. F.C.U.L. Lisboa.

Rainho A. 1995. Inventariação das espécies e dos abrigos nos Parques Naturais da Arrábida e da Serra de S. Mamede, e determinação dos biótopos de alimentação de algumas espécies de morcegos. Relatório interno. ICN.

Rainho A. 1996. Biótopos de alimentação dos morcegos presentes nos abrigos Marvão I e Moura I. Inventariação e biótopos de alimentação dos morcegos presentes no Parque Nacional da Peneda-Gerês e Parque Natural da Serra de S. Mamede. Relatório interno. ICN.

Rainho A. 1997. Estudo preliminar dos morcegos presentes no Parque Natural da Ria Formosa, Zona de Protecção especial do Estuário do Tejo e Reserva Natural do Sapal de Castro Marim. Relatório técnico. ICN.

Rainho A, J.T. Marques & J.M. Palmeirim. 2002. O morcego-rabudo na península de Troia. Relatório Técnico Final. Centro de Biologia Ambiental / Instituto da Conservação da Natureza, Lisboa.

Rainho A. 2005. How does land use change affect colonial bats? A methodology to compare alternative land use scenarios. MSc Thesis on Geographical Information Science. School of GeoSciences, Edinburgh. 30 pp.

Rainho A. 2011. Spatially explicit models for planning bat foraging habitat conservation in agricultural landscapes. PhD Thesis. University of Lisboa, Portugal.

Ramos Pereira M.J. 1999. Áreas de alimentação e dieta de Myotis myotis (Chiroptera) no sul de Portugal. Relatório de estágio realizado para a obtenção da licenciatura em Biologia Aplicada aos Recursos Animais. F.C.U.L. Lisboa

Ramos Pereira M.J. 2000. Inventariação das espécies e abrigos de morcegos no PNSC e PPAFCC/LA. Determinação de biótopos de alimentação de algumas espécies de morcegos. Relatório interno. ICN.

Ramos Pereira M.J. & S.I. Lourenço. 2001. Aferição dos estatutos de conservação de algumas espécies de morcegos. Relatório interno. ICN.

Rebelo H. 2000. Adaptação de caixas abrigos para morcegos ao clima Mediterrânico. Relatório de estágio realizado para a obtenção da licenciatura em Biologia Aplicada aos Recursos Animais. F.C.U.L. Lisboa.

Rebelo, H. 2001. Inventariação dos morcegos e determinação dos biótopos de alimentação no Parque Natural do Douro Internacional e Parque Natural do Vale do Guadiana. Relatório interno. ICN.

Rebelo H. & A. Rainho. 2000. Acções de Conservação de Morcegos na Área de Regolfo de Alqueva + Pedrogão. Relatório técnico final. Instituto da Conservação da Natureza.

Rebelo H. & A. Rainho. 2003. Acções de Conservação de Morcegos na Área de Regolfo de Alqueva + Pedrogão. Relatório técnico final. ICN.

Rebelo H. 2009. Using species distribution modelling and genetic analysis for the conservation of rare species: case studies on european bats. PhD Thesis. University of Bristol, UK.

Rodrigues L. 1989. Ciclo anual de Miniopterus schreibersii (Chiroptera: Miniopteridae): abrigos, migrações e peso. Relatório de estágio, FCUL, 174 pp.

Rodrigues L. 1996. Utilização de grades para protecção de abrigos de morcegos cavernícolas. Tese de Mestrado, FCUL, 81 pp.

Rodrigues L., H. Rebelo & J.M. Palmeirim. 2003. Avaliação da tendência populacional de algumas espécies de morcegos cavernícolas. Relatório técnico final. Centro de Biologia Ambiental / Instituto da Conservação da Natureza.

Rodrigues L. 2008. Population ecology of two species of cave-dwelling bats (Miniopterus schreibersii and Myotis myotis). PhD Thesis. University of Lisboa, Portugal.

Ochoa L. 2013. Monitorização de morcegos no âmbito da avaliação de impactes ecológicos das obras de reforço de potência da Barragem do Picote. Relatório Final de Estágio. Licenciatura em Ecologia Aplicada. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Salgueiro P. 2007. Genetic structure and gene flow of fragmented bat populations: consequences for conservation. PhD Thesis. University of Lisbon, Portugal.

Salgueiro P., A. Rainho A. & J.M. Palmeirim. 2002. Pipistrellus pipistrellus e P. pygmaeus em Portugal. Relatório técnico final. Centro de Biologia Ambiental / Instituto da Conservação da Natureza.

Santos R.M.B. 2006. Monitorização da Mortalidade de Avifauna e Quirópteros Decorrente da Instalação de Parques Eólicos nas Serras do Alvão e Marão. Relatório Final de Estágio. Licenciatura em Ecologia Aplicada. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Santos H.S.V. 2011. Using species distribution modelling to predict bat fatalities at wind farms. Tese de Mestrado, Universidade do Porto

Simões B.F. 2007. Morphometric and Phylogeographic Patterns in Myotis d. daubentonii and Myotis d. nathalinae. Tese de Mestrado, Universidade do Porto.

Silva B.M. 2006. Determinação do elenco de espécies de quirópteros e modelação da actividade do morcego-rabudo, Tadarida teniotis, numa zona da Serra d’Aire e Candeeiros. Relatório Final de Estágio. Licenciatura em Ciências do Ambiente. Universidade de Évora.

Silva B. 2013. Automated Acoustic Identification of Bat Species. Tese de Mestrado, Universidade de Évora.

Silva C. 2006. Monitorização e análise da diversidade de morcegos na Serra do Marão em função de factores naturais e antropogénicos relevantes. Relatório Final de Estágio. Licenciatura em Ecologia Aplicada. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Silva. M. 2009. Implementação de uma Microreserva para a Quiropterofauna numa mina desactivada em Portugal. Tese de Mestrado, Universidade do Porto.

Silva R.F.L. 2012. As comunidades de morcegos: potenciais predadores da população de processionária do pinheiro na Mata Nacional de Leiria. Trabalho de cadeira - Licenciatura em Biologia, ISA.

SNPRCN. 1993. Relatório final do projecto Inventariação e caracterização do património natural". 1991-1993. I Fase (P. Nac. Peneda-Gerês, P. Nat. Montesinho, P. Nat. Alvão, P. Nat. S. Mamede, R. Nat. Serra Malcata)

Vale A.F.S. 2012. Characterization of the fungal flora present in bat guano: survey for species of clinical interest as a contribution for a public health study. Tese de Mestrado, Universidade do Minho. 






  1. Sites


Blog “Um dia de campo”: http://umdiadecampo.blogspot.com/

Imagens “Morcegos na web”: http://www.publico.pt/ecosfera/morcegos

“SIPNAT: Sistema de Informação do Património Natural”: http://www.icnf.pt/portal/naturaclas/patrinatur/sipnat

“Plano Sectorial da Rede Natura 2000”: http://www.icnf.pt/portal/naturaclas/rn2000/plan-set

1º Relatório Nacional Directiva Habitats (2001-2006): http://www.icnf.pt/portal/naturaclas/rn2000/dir-ave-habit/Rel-Nac-Dir-habit

1º Relatório Nacional Directiva Habitats (2007-2012): http://www.icnf.pt/portal/naturaclas/rn2000/dir-ave-habit/rel-nac/rel-nac-07-12

Calendário de visitação de abrigos: http://www.fpe-espeleo.org/index.php/quiropteros





  1. Relatórios EUROBATS

Relatório 1, até Dezembro 1995

Relatório 2, Janeiro 1996 a Fevereiro 1998

Relatório 3, Março 1998 a Março 2000

Relatório 4, Abril 2000 a Maio 2003
(http://www.icnf.pt/portal/naturaclas/ei/resource/doc/convbon/bats-rel-2003)

Relatório 5, Junho 2003 a Fevereiro 2006

Relatório 6, Março 2006 a Maio 2010

Relatório 7, Junho 2010 a Abril 2014


No hay comentarios:

Publicar un comentario